Ter muita roupa gera falsa segurança. Detox Já!

Tem uma estatística não comprovada, mas muito realista, de que 9 entre 10 mulheres tem um guarda-roupa cheio de nada pra usar. Terrível isso, né?

A primeira decisão que você toma no dia deveria ser simples, rápida e descomplicada pra liberar a mente pra outras coisas importantes. Mas acaba sendo um verdadeiro martírio e impacta negativamente um monte de outras atividades. Reflete na autoestima, na maneira como você se vê e como se sente capaz de enfrentar os desafios do dia.

Isso acontece porque, de fato, ter muita roupa gera uma falsa segurança de estar munida e preparada. De que adianta ter um guarda-roupa cheio de coisas que você não gosta, coisas que não te fazem sentir incrível, não representam sua personalidade, não valorizam seu corpo? Te garanto que é muito mais saudável e carinhoso consigo mesma ter à  sua disposição um acervo de peças que você ama muito e QUER usufruir delas, não só armazenar.

Vou te ensinar nesse artigo como fazer um detox do guarda-roupa. Etapa que realizo na Consultoria de estilo, logo depois da apresentação do Manual de Identidade visual, ou seja, após definirmos quais são os direcionamentos com relação à caimentos, cores, acessórios, formas, tecidos que estão mais alinhados com o seu objetivo.

Preparação

 

  • O primeiro passo é reconhecer seu estilo e já ter em mente os objetivos com relação à sua imagem pessoal. Você pode começar fazendo uma pesquisa e separar imagens com o que você gosta, o que te inspira, o que cabe na sua vida. Aqui no blog tenho outros artigos que podem te ajudar: Onde encontrar boas referências de Estilo

 

  • Reserve um período de 3-4h em que você tenha condições de se concentrar completamente nessa tarefa. Que tal um domingo à tarde, um feriado? Se tiver crianças pode aproveitar enquanto estão dormindo ou combinar com alguém de levá-las pra um passeio.

 

  • Certifique-se que TODAS as suas peças estejam participando da brincadeira. Junte peças que você, eventualmente,  guarda em outros cômodos. Recolha as roupas da lavanderia, mesmo as que estão usadas ou para lavar / passar. Fazer esse processo somente com algumas poucas peças que estão no armário naquele momento, tira toda a sua efetividade.

 

  • Providencie uma playlist que te anima ou inspira e uns petiscos para ir recarregando a energia e não desanimar. Tudo vai valer a pena no final e o durante pode ser bem divertido!!

 

  • Defina e já providencie  como vai separar as peças fisicamente. Pode ser caixa de papelão, sacos grandes, cestos, até post-it tá valendo também.

Durante

Nesse momento você vai rever todas as peças, uma a uma e decidir se elas merecem ocupar o precioso espaço do seu armário e da sua vida ou se elas ganharão novo destino. Por isso, o mais importante é decidir quais critérios você vai adotar para fazer essa triagem. Vou te sugerir aqui alguns importantes:

  • Vida útil: Você já usou bastante, primaveras suficientes para a peça ficar com cara de cansadinha, pedindo pra sair do jogo (ou pode ter usado poucas vezes se a roupa tiver baixa qualidade ). Como saber? Se a peça está com bolinhas, desgastes no tecido, manchada, puída, furada. Ou se você simplesmente enjoou dela. Isso acontece com peças muito usadas em períodos específicos, como gravidez, ou por períodos difíceis e acaba cumprindo, emocionalmente, sua vida útil.

 

  • Silhueta: Separe todas as peças que não te vestem bem ou não valorizam o seu corpo. Pra isso, será necessário vestir todas as peças e se ver no espelho de corpo inteiro.  – Nessa hora que a gente descobre que está guardando peças que não servem há séculos! – Não só as que não fecham o botão devem entrar nessa triagem. Também as que tem sobra de tecido onde não deveria, engruvinha em algum canto, repuxa e você tem que ficar ajeitando, a manga ou alça caindo, botão da camisa abrindo, o decote virando, barra torta ou atrapalha de alguma forma seu movimento.

 

  • Realidade de vida: Agora é uma boa hora para usar os filtros de auto-honestidade, de objetividade e funcionalidade para ajustar sua visão sobre o que você realmente precisa ter. Quantas vezes por ano você vai a festas de casamento? Vale mesmo a pena ocupar tanto espaço físico para guardar vários vestidos que serão usados em pouquíssimas situações? Quantas vezes você sai para uma balada? Quantas horas da semana você passa no trabalho? Passou a trabalhar em casa e não precisa mais de tantas opções de vestimenta formal?  Alinhe a proporção de peças do seu guarda-roupa para sua realidade de vida. E elimine peças que te atendiam em outros momentos e que não atendem mais agora!  Desintoxicar seu armário tem a ver com olhar pro futuro!!

 

  • Versatilidade: Um dos fatores que mais engessam o guarda-roupa é ter peças que não se conversam, peças que fazem uma única combinação e nada mais. Siga essa regrinha: Para merecer participar da turma, cada peça tem que fazer pelo menos 3 combinações (looks) diferentes. Avalie se  faltam peças curingas pra fazer mais combinações ou se algumas peças estão fora do contexto mesmo.

 

  • Estética: Não é porque ficou por último que esse item seja menos importante, não. O quanto cada peça do seu conjunto representa seu estilo, assim como a imagem que você quer transmitir pessoal e profissionalmente?  Faz você se sentir visualmente confortável? Você se olha no espelho e acha que é a sua cara? Os elementos visuais (cor, estampa, tecido, textura, detalhes decorativos e a forma) traduzem a sua personalidade ou sua essência? Ou te fazem sentir careta ao invés de divertida como realmente é? Te fazem parecer mais velha ou séria demais? Ou te fazem parecer relaxada e descuidada? Olha quanta emoções negativas as roupas podem te proporcionar!! Detox já!

 

Pra finalizar

Separe as peças em 3 pilhas (ou caixas e sacolas, se preferir):

  • Para doar/vender
  • Para fazer ajustes e reformas
  • Peças da dúvida ( Se quiser dar um último golpe de misericórdia, olhe bem pra cada uma delas e pergunte-se: Se eu a visse numa loja agora, eu a compraria?)

As restantes voltam pro armário lembrando que o guarda-roupa dos sonhos precisa:

  • Ser enxuto, sem excessos, fácil de visualizar tudo e de manusear. Nada de ter mais de uma peça no mesmo cabide pelo-amor-de-deus!!
  • Ser versátil: as peças – os elementos,  cores, detalhes, acessórios- combinando entre si e principalmente combinando com você.
  • Ser irresístivel, funcional, com peças prontas para o uso imediato e que atendem suas necessidades de vida. Sem roupa desgastada ou que você não tem vontade de usar, te atrapalhando de ver as outras boas oportunidades!

Agora é começar!

Eu adoro quando vocês compartilham comigo sobre o tema do artigo. <3

Que tal me contar qual a situação atual do seu guarda-roupa e quais serão seus critérios para fazer um detox?

Veja também o artigo: Como saber se a roupa é de qualidade


Quer receber artigos como esse diretamente na sua caixa de emails?

Você também pode gostar