Desapegando – Closet

 

2014.06.24_Pratique-o-Desapego_2

 

Olá meninas e meninos! Hoje estou estreando  aqui no blog e todas as semanas vamos falar um pouquinho sobre organização! Sou Personal Organizer e amo muuito este trabalho; a intenção aqui é dar algumas dicas preciosas sobre o assunto, para que vocês consigam facilitar o dia-a-dia!

Antes de mais nada, precisamos falar um pouco sobre o primeiro passo para uma organização de sucesso: DESAPEGO!

Marie Kondo- a maga da Organização- que está super na moda, diz que: “A melhor maneira de descobrir o que queremos de verdade é nos livrando do que não queremos”. Quantas vezes nos deparamos com aqueles quotes motivacionais sobre se livrar e desapegar de sentimentos e coisas que não precisamos? Assim funciona com tudo que nos cerca, seja em casa,  no trabalho, ou na vida…

As pessoas costumam usar muito pouco do que têm, porque simplesmente têm coisas demais; quando a gente consegue desapegar de tudo aquilo que não usa, sobra espaço nos armários para o organizar, e principalmente, visualizar tudo o que gostamos; assim, passamos a usar tudo!

É fácil desapegar? Nãaao, claro que não. Desapego é um processo… mas apesar de ser sofrido para algumas pessoas, no final, a sensação é de puro alívio!

Experimente! Você, seus armários e sua vida merecem!

Abaixo uma listinha para você começar; lembre-se que não adianta tirar do armário, colocar numa sacola e depois ficar pegando coisas de volta, rs… Tirou do armário? Dê o destino que você se propôs; seja ele doação ou lixo, tire do seu campo de visão e principalmente do ambiente onde você está organizando!

No closet:

  • Roupas que não servem – não fique esperando perder peso para entrar naquela tão sonhada calça jeans que está no armário há 4 anos! Desapegue dela, os modelos mudam a cada ano, e quando você atingir seu peso, vai querer roupa nova!
  • Roupas manchadas – elas não servem nem para ficar em casa. Nada de separar roupas para ficar em casa; elas podem ser muito confortáveis, mas garanto que você tem o suficiente para estar sempre bem vestida (o), dentro de casa também.
  • Malhas com bolinhas – se sua malha já passou pelo papa bolinhas, pela gilete ou qualquer outro truque para que pareçam melhores e ainda assim tem que repetir o processo a cada inverno, doe! Ela já cumpriu seu papel e te aqueceu o suficiente, deixe que faça isso por outra pessoa. Ninguém passa um inverno inteiro sem comprar pelo menos uma malha nova, então desapegue!
  • Meias – Nada pior que uma meia sem elástico que é literalmente comida pelo tênis ou qualquer outro sapato, chegam até a fazer bolhas! E aquelas de lã cheia de bolinhas? Deus nos livre de ter que tirar o sapato em algum lugar…. Meias brancas são legais brancas. Encardidas não são legais, eu juro. Então faça uma limpeza profunda na sua gaveta de meias e se dê algumas novas de presente; não precisa investir muito!
  • Lingeries – Se a sua mãe é como a minha, você ouviu a vida toda pra nunca sair com calcinha furada, ou em qualquer condição que não seja o suficiente boa para ser vista. Minha mãe fazia disso uma tragédia, mas nem precisa né? Seja em casa, ou na rua, você merece estar com uma lingerie decente. Não precisa ser cara, nem a mais sensual; pode ser confortável! Eu tenho calcinhas para dia-a-dia; calcinhas para academia, calcinhas para dormir, calcinhas para ocasiões especiais! Tirou da gaveta? LIXO! Calcinhas não podem ser doadas.
  • Biquínis – com o tempo, cloro, água do mar e etc, os biquínis começam a ficar esgarçados, a lycra não tem mais elasticidade, e ficam muito feios. Vamos investir em biquínis novos, nada melhor do que vestir um biquíni lindão no verão!
  • Pijamas – Até para dormir a gente tem que estar bonita! Nada de dormir com o moletom da sétima série do marido, ou a camiseta do time de volley do colégio! Pijamas duram muito! Dá pra dormir fofa todos os dias!

No próximo post vamos abordar mais um ambiente!

Beijos

Você também pode gostar

  • O desapego é muito importante para uma vida mais feliz, porém não podemos nos exceder e se apegar ao desapego, que é o que muita gente acaba fazendo, como um vício