Autenticidade! Você tem coragem?

Por muitos anos, durante a minha infância e adolescência, ouvi pessoas próximas darem a si mesmas a qualidade de autênticas, e eu sempre associei essa característica a alguém que diz a verdade doa a quem doer. Tenho certeza que você também conhece pessoas assim. Dizem o que querem, machucam os outros e, para se justificar sem culpa, terminam com um: “Falo mesmo, sou autêntica!” Até que eu descobri que ser autêntica não tem nada a ver com falar a verdade para os outros, mas sim CONHECER A SUA PRÓPRIA VERDADE. É autêntica aquela pessoa que se conhece tão bem que não sente a necessidade de fazer ou falar algo para provar quem é. Não tenho dúvidas de que o mundo hoje está realmente carente de pessoas assim.

Existem diversos movimentos nas redes sociais, hashtags como “nomakeupselfie”, famosas posando para revistas com “cara lavada”, com convites para que leitoras também postem fotos sem maquiagem. Além de campanhas que ganham cada vez mais força para que revistas parem de utilizar o photoshop para criar imagens de mulheres “perfeitas” e irreais. Existe uma urgência em resgatar a simplicidade e a máxima SEJA VOCÊ MESMO.

Infelizmente milhares de jovens querem ser a modelo da capa e não se dão conta que aquela imagem não existe. As mulheres que vemos todos os dias na TV, nas revistas, nos comerciais enos outdoors, foram minuciosamente fabricadas em programação de edição de imagem. É como querer ser o Mickey ou a Minnie e viver infeliz por jamais conseguir ter as orelhas e rabo deles. E ainda tentar disfarçar essa ausência, colocando uma tiara com orelhas pretas gigantes e um rabo postiço pra ir trabalhar.

Isso não quer dizer que devemos evitar tudo que nos faz mais bonitas: maquiagem, moda, estética,e muito menos perder a nossa vaidade. Maquiar-seé a sétima delícia da galáxia e mulheres que aprendem algumas técnicas simples de se transformar, com certeza não querem abrir mão disso.  Vestir-se bem faz um bem danado para a nossa autoestima, assim como exercitar-se melhora a saúde e bem-estar. O perigo está em não enxergar a linha tênue que separa o desejo de ser o melhor que você pode do desejo de ser o outro. A mídia nos oferece padrões de beleza desejáveis mas que nos empurram para uma caixa com uma tarja em letras garrafais: SEM IDENTIDADE. Para sair dessa caixa é imperativo que você conheça suas características e o que te torna um ser único em relação a todos os outros. Perdemos isso a todo momento quando olhamos para padrões impostos.

Essa semana, após algumas sessões de coaching de carreira e aulas de empreendedorismo para mulheres ( www.negociodemulher.com.br ), fui incentivada a fazer a minha análise S.W.O.T. ou F.O.F.A., que significa: Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças. Fiquei muito intrigada ao perceber que faltou espaço para escrever sobre as minhas fraquezas, e sobrou no campo que eu deveria preencher as minhas forças. Eu não estava conseguindo lembrar dos meus pontos fortes e comecei a pensar que talvez eles nem existissem. Então tive uma ideia iluminada: perguntar para algumas pessoas que me conhecem bem. Fiz uma postagem no facebook fechada para familiares e alguns amigos íntimos, com perguntas do tipo: O que eu gostava de fazer quando criança, quais as matérias eu mais gostava, quais são as minhas características marcantes, qual a minha marca registrada, qual atividade eu mais gosto de fazer e, por fim, conte uma história que você lembra sobre mim.

Para a minha sorte, a maioria pegou a ideia e não fez elogios, nem “rasgou seda”. Quanto mais eu lia as respostas, mais eu ria e pensava: Essa sou eu! Foi divertidíssimo ter um reencontro comigo mesma e perceber que até os meus pontos fracos (como ser geniosa, ter temperamento forte e falar muito) fazem de mim alguém especial pelo simples fato de ser eu! E não adianta tentar esconder quem eu sou. Alguns vão me amar, outros não vão me compreender, mas aprendi que não temos controle sobre isso. Sendo eu mesma, ofereço a oportunidade de  pessoas se identificarem comigo e se aproximarem, e outras, se afastarem. Filtro natural da vida! E entender esse processo proporciona uma liberdade impagável.

Tentar apagar suas marcas, suas manchas, eliminar toda minúscula célula de gordura do seu corpo ou vestir a última tendência da moda são formas de assassinar a sua identidade, a sua história e perder completamente a sua autenticidade. No entanto, é possível sim se maquiar, se vestir bem, ter um corpo saudável e ainda manter suas características se você conhecê-las e aceitá-las. Ninguém quer se relacionar com uma cópia!

Então comece já a busca por você mesma!  Ofereça aos outros tudo o que você tem e aprendeu, e que te tornam única. Tenho certeza que você irá arrastar multidões!

E que tal compartilhar a sua descoberta? Qual sua marca registrada? Quais características te tornam única?

Você também pode gostar